17 abril 2009

III

A caneta nova, um presente
no estojo é uma máquina
do tempo,
emperrada. Ela me prende
aqui. Para dizer o que digo,
faço
caminho de curvas entre palavras soltas por aí.

Saber o amor, o que é?
A vida talvez possa ser.
Sacrifício
é o que é. O amor será doce,
a dor será o amargor da palavra
que tenta
explicar o que se passa no poema doido.

Em uns três livros, quatro, amontoados
na mesa de trabalho, as palavras
trazem
o amarelo das mãos, o sujo
do olhar. A vida ganha e se perde no sol,
as horas
que passam dizem o que é a vaidade.

8 comentários:

Eurico disse...

Vaidade de vaidades. Tudo passa!
Mas nesse passar, nesse durante, tentamos inutilmente, fisgar o instante ligeiro, a dor no poema doído. Mas o instante... já passou. E a dor? A dor tb. Tudo é vaidade. Tudo passa.

Elcio Tuiribepi disse...

OLá Dauri...ainda escrevo com caneta ao invés de digitar, primeiro vou escrevinhando, rabiscando, amassando, até que a palavra nasça, vaidosa ou não...
Mais um belo poema amigo...

Esquece todos os poemas que fizeste. Que cada poema seja o número um.

Mário Quintana

E assim a gente segue...

mundo azul disse...

_________________________________

...me pareceu enfadado, poeta...

Um momento de pausa, uma reflexão...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

________________________________

Dauri Batisti disse...

Mundo azul,

quero colorir os meus escritos, a cada tempo, com variadas cores, inclusive as do enfado. Sei que não consigo a expressão da cor exata, por me faltar a devida competência, mas ficam ai as manchas no ESSAPALAVRA, tentativas de dizer outras coisas, pois que as mesmas enfadam.

Beijo.

Germano Xavier disse...

_ _

a caneta, o estojo, e dentro de tudo a imperativa potencialidade de construções infinitas...


Abraço forte, Dauri Jack.
Continuemos...

paula barros disse...

Dauri, li, e sigo pensando. A minha pressa, não me impede de te ler.

beijo

Jânio Dias disse...

"Que seja doce."Abraço!

Ps.: Amigo Dauri, tem uma singela homenagem a ti no meu humilde blog.

Tiago Soarez disse...

Dauri,

de verdade... me emocionei.

Para mim, o q vc escreveu teve um sentido muito forte... passei por uma situação em q ler isso, veio de acordo com o que vivi e com o q vivo agora...

Algo como meditação, como se eu tivesse pensado isso, mas não dessa forma, tão bonita...

Abraço muito forte.