25 outubro 2008

Luz-água das palavras

Eu ia indo. Então,
decidiram me reiniciar
no mundo da luz.
Me pararam na curva da estrada.

Nada fizeram comigo
a não ser pôr na minha língua
como pitada de sal
umas sílabas,

sílabas-deus,
e me disseram,
Efeta! Hic, hodie!
"Lux, etsi per immundos transeat, non inquinatur".

Vida sedenta,
curva da estrada,
observar que ela toca o rio,
a sede por hoje pode ser saciada.

Vida verbo,
curva da estrada,
hodie, o respiro, a poesia per immundus transeat,
a luz-água das palavras.

(A frase entre aspas é de Santo Agostinho e diz que a luz, mesmo que passe pelos impuros não se polui. Efeta, abre-te. Hic, hodie, aqui, hoje).

11 comentários:

Dauri Batisti disse...

A frase entre aspas é de Santo Agostinho e diz que a luz, mesmo que passe pelos impuros não se polui.

Efeta, abre-te. Hic, hodie, aqui, hoje.

Marcos Campos disse...

Olá!!
legal o post!!, legal a observação no comentário, não fosse isso, não saberia...rssss
Abraço e bom finde!!

Pelos caminhos da vida. disse...

Vim agradecer sua visita e conhecer seu espaço.
Gostei das suas palavras.

Ah...pegue os selinhos lá pra vc tb.

Um otimo fim de semana.

beijooo.

Ana Paula disse...

Reiniciar, em sílabas colocadas como sal que dá sabor, renascer em caminhos que levem ao rio de palavras iluminadas por água que são sempre novas e imaculadas.

Um abraço
Ana Paula

Opuntia disse...

Lindo poema! "Vida verbo"- gostei disso. Às vezes parece tão difícil conjugar esse verbo...

Bjos

eder ribeiro disse...

Com um tempero como este, sílabas, vc ilumina. Bravo Dauri, bravo. abçs.

Alex Sens disse...

Sério, chega a ser translúcido o poema =)

Thiago Ya'agob disse...

Boa noite, Dauri!
Muito me alegrou seu comentário em meu blog. Volte quando quiser ao Debaixo das Asas.

Luz...

Às vezes nos acostumamos tanto com as trevas que quando vemos a luz, sentimos ‘infamiliarizados’ com a clareza.

Preciso enxergar.

Abraço, Shalom!

Sarah Vervloet. disse...

Palavras que parecem mesmo luz e água, que são claras e refletem a vida. Sem o verbo, mesmo com curvas na estrada, perderíamos o fôlego.

Grande poema.

Plinio Uhl disse...

Palavras que iluminam, impetuosas, abundantes. É o que sempre encontro aqui.

Abs!

Carla Silva e Cunha disse...

ola

gostei...parabens!

Carla

http://www.arte-e-ponto.blogspot.com