09 abril 2008

Uma lâmpada fluorescente quebrada

Fui marcado,
estou cicatrizado,
meu olhar ficou embaçado.
Vivi tantas coisas,

poucas coisas eu vi
preso nesses caminhos
que vão logo ali,
e já estão voltando.

Quando a máquina parou
o vento fez um movimento diferente
na árvore que na boca da noite avistei
pela vidraça embaçada do anatômico.

Parei e me admirei
de que meus olhos
fossem capazes de ver
algo novo.

Ouvi um barulho,
fui até a outra sala
e sobre o cadáver numa das mesas
uma lâmpada fluorescente quebrada.

10 comentários:

Cöllyßry disse...

Vezez há que não se para para admirar nosso redor...

Belo espaço de poesia...

Doce beijo e meus tastoooooooos

Aqui de pensamentos:

http://olharindiscreto.sapo.pt/

Eurico disse...

Fazer ver algo novo, ou tornar estranho o que nos é familiar. Eis uma das possibilidades da arte e do artista.
Parabéns!

Dauri Batisti disse...

Colibry
Obrigado pelo "belo" dado ao meu espaço - essapalavra - de poesia.

Eurico, você foi em cima. De fato eu quis falar do olhar "velho" mas que ainda assim é capaz de ver o novo e o estranho. Mas a máquina, homem-máquina, precisa parar.

Ainda deixei a imagem da lâmpada quebrada sobre o cadáver para outras aproximações.

Uma vencedora... disse...

Oie Dauri...

Percebi-se que és um lindo poeta e tem muita sensilidade ao descrevê-las aqui...

Apareça no meu espaço e torço para que volte e retorne...

Janaína

Plinio Uhl disse...

rapaz... uma semana q fico sem passar por aqui e já encontro quatro novos textos. vc está produzindo bastante, hein?

bom pra gente.

abs!

Vanrogue disse...

Poesia... ééé muito boa mesmo!!

Apesar de nao ter paciencia pra escrever isso hoje, mas já tive!!
Claro que nao saia coisas assim...

Mas to retribuindo a visita e o comentario!

Welcome Back to your nightmares, darling!

Loba disse...

Ah, poeta, o olhar só envelhece se nos negamos a alonga-lo para além de nós mesmos. Porque só um olhar novo é capaz de atravessar os velhos muros e acender luzes nas ruas da gente.
beijo

F. S. Júnior disse...

sobre este, fiquei sem saber o que dizer... rs

Germano V. Xavier disse...

Olá!

Passei por aqui...
Gostei do blog!

Abraços pernambucanbaianos...

Germano
www.clubedecarteado.blogspot.com

Mike disse...

coisas que perdemos pelo caminho... momentos vividos e que estão em gavetas, equilibrados sob um constante movimento pendular... que uma hora cessa, a máquina então desliga, a luz se apaga, e um novo instante se instaura. resta-belecer a respiração, renascer e encarar as possibilidades que o 'novo' propõe.