24 agosto 2013


Vozes de abrir janelas, tentativas de olhar - 2

O olhar é coisa que se dá aos outros, mas pode ser também uma coisa que o outro toma, como uma carta que se escreveu em segredo e veio a público pela mão de um “amigo”. As pessoas estão sempre pensando que sabem ler o olhar da gente, mas nem sempre sabem não. Até leem, mas podem estar lendo errado. Ainda lê aquele que lê errado? Mas ele queria que algum dia aparecesse alguém ali naquela venda e que fosse capaz de ler certo nos seus olhos aquela história com começo meio e fim. Especialmente o fim, quando alguém morria. Ao cair da noite ele vinha à venda. Bebia umas poucas doses, ficava ali pelos cantos mais escuros e ia embora. Durante o dia usava óculos escuros.

2 comentários:

Maria Helena disse...

Sou analfabeta em leituras humanas;mas seu personagem é bem intrigante .

Ricardo Branco disse...

Oi, Dauri. Hoje estava revendo postagens em meu blog de quase quatro, cinco anos atrás e vi o quanto trocavamos ideias. Cai aqui em seu blog de novo e me depurai com uma série de ótimas publicações e pensares sensíveis. Coisa boa de se ler! Grande abs!