06 novembro 2012

A vida se vai, e sem que percebamos, em certos momentos, nos sentimos como se tivéssemos diante de um filme do qual perdemos o fio do roteiro. Cercam-nos os passarinheiros por todos os lados com seduções para que entremos nas briguinhas de poder, nas disputas pequenas de egos movidos por interesses egoístas. Armam-nos suas arapucas capitalistas de portas amplas e douradas. Perdendo o fio do roteiro perdemos também o que nos levava pelos sonhos de poesias e ideais, mesmo e apesar das dificuldades; a crença na bondade, mesmo e apesar das fragilidades de cada um. Sim, perdemos o outro como parceiro e construímos muros, e pintamos inimigos em cada pequena sombra que se avizinhe. Ah, então, é preciso respirar e buscar no fundo dos pulmões o calor da renovação dos desejos que ainda em nós habitam. Aqueles desejos de viver bem, em paz, com a benção de um livro nas mãos, um amigo, uma conversa solta ao sabor de uma xícara de café, uma taça de vinho no início de uma noite tranqüila. Afinal, de que falo?, falo em reencantos, em processos de reencantamentos, falo de buscar o mundo, sim, buscar o mundo outra vez, o mundo no qual fui plasmado, meu mundo, este mundo, este que é o lugar onde fui posto para o cultivo de bons acontecimentos. Mundo plataforma de vôos. Haveremos de ser criativos para não cairmos no laço do passarinheiro. Voemos.

4 comentários:

Paula Barros disse...

Parece que foi escrito para mim. Para eu refletir, para parar um pouco, para respirar, para me reencantar com a vida.
abraço

Dauri Batisti disse...

Valeu paula. Haveremos de seguir tentando sempre novas fórmulas de reencantamento do mundo, da vida.

Maria Helena disse...


Vivo buscando o reencantamento do tempo que ainda tenho;luto para não deixar nenhum momento (mesmo aqueles...)escorrerem pelos meus dedos como areia fina.Quero viver tudo!E seu texto veio para me fazer ter a certeza de que é assim que deve ser.
Obrigada e abç.

Eurico disse...

Isso, Dauri!
Eu precisava ler isso hoje!
Creio que ainda há tempo!

Abç cordial