06 julho 2010

Inesperado sol


12

Dentre os dias que faltavam estava a quarta-feira. Faltava o pano da quarta. A quarta-feira do ocorrido não faltaria mais, ficaria grudada nos pensamentos até quando este se perdesse nos pântanos da memória envelhecida, ai, quem sabe, a memória que desliga e liga em outros jeitos uma mesma linha, construa sem dor, sem peso na verdade, o que aconteceu naquele dia. Meu Deus, foi numa quarta-feira. Agora teria que levar até o inferno aquela quarta-feira. Os degraus da escada não lhe bastaram, desceu-os saltando-os a ponto de cair e se quebrar todo no chão imundo do primeiro andar, abriu a porta com a decisão tomada sem saber em que momento ela teria se formado, ela se dava agora, em cada passo apressado, os olhos não viam nada, o rumo era definido como o rumo de um réptil que segue veloz. Ao dar partida na caminhonete o motor roncou, roncou e não funcionou. Derramou-se por dentro de um depósito bem cheio um liquido amarelo de frio que lhe desceu pelos entremeios da barriga. Desligava e ligava o motor e ele não funcionava.

11 comentários:

Mai disse...

Que bom poder ler-te novamente!

Então simplória eu pensei: - talvez tenha havido um crepúsculo ou um eclípse e após as tantas coisas que aconteceram nessa tal quarta-feira, veio então 'o inesperado sol'.

Juro que fico roendo de curiosidade nessa história.
Então, com "o rumo de um réptil que corre veloz" estancar o carro e não poder seguir, foi terrível.
(maldade tua com o leitor...risos)

Tenho gostado muito desse ir e vir que não é linear e ao mesmo tempo não se perde no caminho.


Também gostei do novo design. Preciso renovar o meu.
um beijo um abraço e um sorriso de contentamento.

Mª Helena disse...

Que bom!O INESPERADO SOL voltou!Senti uma saudade danada de grande de sua prosa inundada de lirismo, mas valeu a pena esperar.
Abraço

Mª Helena disse...

FIZ UM COMENTÁRIO NO OUTRO BLOG MAS NÃO CONSEGUI POSTAR.SEUS POEMAS AQUECERAM COM BELEZA O FRIO DO DIA.
ABRAÇO

Jacinta Dantas disse...

Passei por aqui pela manhã e vi que vc estava arrumando a casa. Bacana ficou esse lay. Fotos em preto e branco...adoro.

Mas, caramba! essa coisa de se derramar por dentro e ficar agarrado... angustiante. Será na quarta o inesperado sol?

Agora vou conhecer seu novo espaço.
Beijo

Valdemiro Xavier disse...

Bom vê-lo de volta Dauri.

Grande abraço!

Elcio Tuiribepi disse...

Oi dauri...quanto tempo...visual novo por aqui...gostei
A gente sente como se estivese passando por uma rua...uma rua feita com palavras...
Para não perder o costume sempre tem um trecho do seu texto que se encaixa na vida da gente, digo da gente porque acredito que isso aconteça com mais pessoas que passam por aqui.

"Quem sabe, a memória que desliga e liga em outros jeitos uma mesma linha, construa sem dor, sem peso na verdade, o que aconteceu naquele dia"...engraçado como o contexto está aqui, dentro de mim...vivo na mem´ria...

Um abraço na alma...

Eurico disse...

Oi, Dauri, faz tempo que não venho aqui. Fiquei um tempo fora da internet. Agora terei de retomar a leitura de postagens anteriores para comentar.

Deixo-te um abraçamigo e sempre fraterno.

carolina freitas disse...

Caro, lembrou-me de sempre esquecermos algo. Faltar. Nem que seja a quarta. Memória envelhecida que liga e desliga feito motor rouco. Às vezes também deixo faltar uns dias....


Saudades.

Carol

Anônimo disse...

Senti falta dessa leitura que me humaniza.
Fraterno abraço.
Charles

Paula Barros disse...

Bom ter seus textos para ler, apreciar, verificar todo o conjunto da escrita, sentir alguns trechos que me levam a refletir...e sempre reler.

Gostei das fotos em preto e branco e do novo layout do blog.

Este trecho fala comigo:
"....a memória que desliga e liga em outros jeitos uma mesma linha, construa sem dor, sem peso na verdade, o que aconteceu naquele dia"

abraço!

EDER RIBEIRO disse...

O blog está simplesmente lindo, a brancura com as fotos em preto e branco dá uma ideia de limpeza que contagia. Abçs.