04 outubro 2009

III
(O que contais?)

O que ele lembrava,
mais do que das exigências,
era de um desprender-se de uma estrela,
e da queda
na inexplicação de si mesmo.

Mas, ao mesmo tempo,
era por dentro,
nas correntezas de dentro,
que um sentimento sem solução
se lhe aparecia.

Inclinou-se e pensou
no que fazer. Havia vários
corações para aquele gesto
de inclinar-se: qual deles
tomaria para viver aquele
ínfimo momento?

6 comentários:

Juliano disse...

O próprio, e intensamente, é a única saida.

Abraços

paula barros disse...

Sentimento sem solução, daria um bom papo, dias e dias, uma viagem longa, quem sabe. (parece brincadeira, mais é sério, porque sempre me aparece um)


Esse personagem (?), me parece viver um conflito. E sei, bem sei, que mesmo que se diga que é preciso seguir o próprio coração, inclinar-se para si mesmo, nem sempre é fácil, nem possível.

Vou aguardar....

beijo

@philipsouza disse...

Procurando uma saida...

profundo...

abraçao

[ rod ] ® disse...

coração em versões infinitas... qual delas nos dará a redenção?... abs meu caro.

Camilla Tebet disse...

todos os corações. Todos. com tudo.

Ava disse...

Uma decisão tão rápoda como o cair de uma estrela...

O coração já escolheu...

Beijos...