02 outubro 2009

II
(o que contais?)

Ele se lembrou
das exigências
que se lhe tinham sido feitas.

Haveria de plantar
o fogo do fogo
e alimentá-lo
com o vinho do desate.

O diamante do horizonte cegou-lhe,
para que pudesse sentir
a superfície fria do tempo.

Ao fim do dia
voltou-lhe a luz
e as hesitações.

Haveria de, por ofício,
afinar o violino
com o peso
ou a ternura das horas.

Ou, tatear sob o dorso da língua
indícios de novas pronúncias.

8 comentários:

Mai disse...

Rituais de hesitar, ir e voltar e a dúvida é a única que não hesita, e insiste em ficar. Palavras de tocar o toc de medrar. Ou será que era a sombra que, mesmo com a luz, amedronta e faz hesitar?
Hesitar. Essa palavra que mesmo com a luz, não deixa o eu ter êxito, seria o medo? Ui, vou voltar.
Sei lá...
um beijo

paula barros disse...

O ofício do ser, as escolhas, o dia a dia.
E a beleza do que transborda em palavras.

E de palavras em palavras...um mundo que se afina.

beijo

Juliano disse...

Indicio de novas pronuncias.!
Gostei

Abraços

céu e saudade disse...

hesitação: o tal de saber sentir e ir ou sentir e saber ficar.
gosto de tudo aqui, abraços.

Rosemeri Sirnes disse...

Que lindo Dauri "superfície fria do tempo" a tua maneira poética de pensar me impressiona.

É sempre uma alegria estar aqui.

Beijos

Valdeir Almeida disse...

"O diamante do horizonte cegou-lhe,
para que pudesse sentir
a superfície fria do tempo"

Sentir interiormente e não mediante os olhos. Quem cegou-lhe foi o diamante. Pedra rica, mas que não tem poder para mostrar a beleza.

Abraços.

Jacinta Dantas disse...

Por aqui, beleza se tem a todo instante. E, por ser belo presentear, deixo um selinho prá vc lá no meu florescer.
Beijo

paula barros disse...

"Haveria de, por ofício,
afinar o violino
com o peso
ou a ternura das horas."

É lindo demais, e adoro ficar indo e vindo, e pegando trechos dos seus pensamentos. Porque cada trecho é um todo e diz sempre muito.

abraço, bom restante de sábado.