28 setembro 2009

bem, não sei

...,

pois que limita a vida
o poema que se escreve.
O poema parte
e reparte em mil partes
o que deveria ser um: amor.
A infinitude do universo é perfeita
mas é a poesia
anterior ao universo.


...,

O número engana. Palavras,
tantos poemas, nada.
O tudo antes,
o pleno depois. A busca
incessante: poesia.
Nenhum múltiplo alcança-a.
As estrelas incontáveis
se perdem.

4 comentários:

Juliano disse...

Parte e reparte em mil partes.! A ssim então tocando fundo em diversos corações.!

Abraços e ótima semana Dauri

@philipsouza disse...

vc coloca os coraçoes a pensar ne....cada parte uma emoçao...

abraços otima semana

Plinio Uhl disse...

ei, dauri! qto tempo!

fiquei sumido um tempo mesmo, tirei férias (de tudo mesmo), rodei por aí, mas já retornei à rotina de trabalho.

bom estar de volta, em território conhecido e com amigos queridos. abraço.

paula barros disse...

....não sei, não sei...
....bem, não sei...
....nada, sei que nada sei...
....tudo, não sei
...até sentir, é um complexo de não sei..
....o amor, esse é que não sei mesmo...
...ah!!! a poesia, essa eu sei que é bela...eu sinto se multiplicar em mim em estrelas poesias...em incandescentes poesias....em poesias poesias...isso eu sei!