22 setembro 2009

Ah, não sei

....,

e dói dizer que um verso escrito,
pode ser a rasura
de um momento do tempo,
o tempo do tempo,
do qual se teve consciência.
A poesia é a faísca
que surgiu dessa dor,
não do fogo da estrela bonita
que explode no frio do universo.


***

Não sei,

....,

A poesia recolhe respiros
incessantemente, e força-se
como acontecimento
na rebeldia dos gritos.
No mais belo passo
da sua dança infinita
o universo tropeça
e deixa cair no nada
o tudo de uma vida.

5 comentários:

Eurico disse...

Dauri, amigo, o Manoel faz poesia como um não-poeta, sim! rsrsrs
Com o tempo e com a observação vou saber te dizer porquê. Agora basta te dizer que sim. kkk

Abraço fraterno.

Paulo Braccini disse...

Agradecendo e retribuindo o carinho da visita ... belo trabalho vc desenvolve aqui ... emoção e sentimento à flor da pele ... viajando por todas estas emoções ... voltarei sempre ...

bjux

;-)

Opuntia disse...

Na dança do universo giramos no passo da poesia! Esse é o mais belo passo. É triste aquele que prefere dançar sem ela.

Bjos!

Mai disse...

Também não sei mas deve existir um lugar onde a estrela eclode quando do fogo, explode seu brilho e depois vem brilhar aqui onde a vemos, isso vem do passado...
Poesia é a ilógica linguagem que exprime, explode, escorre em tempo, amor e Deus.
Não sei, sei lá...
um beijo,

Juliana disse...

ah, a poesia e o seu mistério... muitos bons os seus escritos, abraço