26 maio 2009

I

Escrever poemas
poeta que não sou
é uma tentativa de criar intervalos
na ininterrupção das horas.
Voam das gaiolas estranhos pássaros
que semeiam milharais, arrozais
em terrenos onde estou fincado
como espantalho.

3 comentários:

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO DAURI, MARAVILHOSA DEFINIÇÃO DOS TEUS MAUZINHOS PENSAMENTOS... ABRAÇOS DE AMIZADE,
FERNANDINHA

Mai disse...

Minhocas, galáxias.
E os pássaros são semeadores nos milharais e arrozais...
Poetas e não-poetas apanham dos embornais palavras-sementes e no papel ou no écran, nos emocionam com poemas.
Beijos,
Mai

Eurico disse...

Tenho vindo, tenho lido...
esse lirismo ab/surdamente belo.
Lirismo túpido! Gosto dessa palavra: túpido. rs
Lirismo acachapante, Sr. Não-poeta.

Abraço fraterno.