03 janeiro 2009

(encerrando a série das sete canções)

Cheguei, é a última hora, não a última canção.
Logo estarei ali, fim de uma estrada, começo de outra.
Os últimos pensamentos desabrocham,
conhecimentos afetos de ânsias e esperas,
de perguntas e canções. O amor não é uma paisagem,
um cenário perfeito onde se pode morar.
É outro lugar. Ir embora. Amor, amores,
vamos juntos, em caravana, pelas fronteiras.
Vento bom, suave, fogo santo, ardente sobre cicatrizes.

Reduzo a velocidade, olho as pessoas pelas ruas da cidade.
Ouço “Love me two times”.

16 comentários:

Germano Xavier disse...

Amor é outro lugar, é ir embora. Isso é poesia séria. Tua palavra. Essa. Esta. Estamos presos pelo dito, pelo verso, averso, silente-monstro.

Eu leio e fico.
E é o bastante.

Abraço forte, Dauri.
Continuemos...

Mai disse...

Oi, Dauri.

Pena que sempre encerras quando queremos mais...
Gosto disto de 'AMOR' E 'Amores'...

Porque assim eu penso o amor.

Sabe, nessas viagens in ou out, buscamos dimensionar, roteirizar, situar, sei lá o quê, no amor.
E, percebo que há mais e mais e muuito e um tudo que a razão não dará conta jamais.

Desisti, felizmente, não de viajar, mas de me inquietar com este tanto que não explico e não se explica porque, justamente, está no ar, este elemento que não encapsulamos...
Está no mar, das emoções e quem contém o mar?

Assim, amigo, resta-nos 'pensar' refletir e viajar... Nos sons, paisagens e questões acerca do amor.

Mas não quero beber o amor, jamais, prefiro vivê-lo, mesmo que doa porque a dor, talvez eu consiga lenir...

Dauri, é muito bom vir aqui e te ler.

Continua, mais um pouco, só mais um pouquinho...
O bom é que mudas o nome da série, mas sobre o que escreves, sempre, muito, sobre o amor.

carinho e beijo.

paula barros disse...

Sabia que ia chegar. Não cheguei…Mas o importante é que não é a última canção, o útlimo suspiro, a última emoção. Para todo fim, um recomeço. Pensamentos que não param, e ao desabrocharem deixam pelo caminho flores, espinhos que podem se transformar em pinceis para pintar outras estradas, caminhos diferentes, emoções emocionadas e uma nova pessoa.
Obrigada pela viagem...

paula barros disse...

Hoje acordei pensando e me dizendo, em tentar viver mais e pensar menos, agir mais. E vim aqui.

Talvez para mim nesse momento o segredo seja, reduzir a velocidade, e olhar....sentir, viver.

bjs

f@ disse...

Tomei a liberdade de te linkar nas nuvens…
Depois de ler teu comentá rio lá na Físsil Flor..
Assim como essa canção de última hora tem a mel(o)dia e o ritmo de ao sabor do vento deixar dançar as nuvens…
Belo espaço este para pairar…

Bjdas nuvens

Márcio Ahimsa disse...

..."o amor não é paisagem", creio, é passagem de um estado, de mudança de espírito, transcedente, reluzente, que fica pairando sobre seres de outro mundo, como os poetas, gnomos, fadas e duendes...
o amor é mesmo simples como bater de asas de borboleta.


Abraços.

Jo Bittencourt disse...

rs

hoje a primeira música q ouvi foi Love Street. gostei dessa série hein...

ah e da fotinha tb!


Dauri, beiJooo

Anônimo disse...

7 canções, 360 esperanças, 1000 abraços

Anônimo disse...

360 amanheceres, 7 canções, 1000 esperanças, 1 amor no coração

Opuntia disse...

O amor é... algo q jamais conseguiremos explicar, e isso é bom. Talvez, se conseguíssemos explicá-lo, perderia a graça.

FERNANDA & POEMAS disse...

Querido Dauri, muito bom passar por aqui... Adorei o texto... Votos de bom Domingo... Um grande abraço de carinho e ternura,
Fernandinha

ลndreia disse...

Que palavras lindas por aqui... *

Rico B. disse...

estamos todos correndo atras da mesma coisa. e ela ali, parada do nosso lado... beijos.

[ rod ] disse...

Encerras em grande estilo... onde o ir pode ser uma breve viagem... onde o desejo, por fim, se realiza.

Abçs meu caro e feliz 2009 pra ti.




Novo Dogma:
ceGo...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Dora disse...

Amigo Dauri. Cheguei do meu descanso. A tempo de ver sua sétima canção. A tempo de acompanhar o percurso interior de quem parece chegar...E de quase assistir a um encontro com a amada, que se faz próximo.
Mas, penso que o amor pode ser uma paisagem. Só não é uma paisagem estática, entretanto...
O amor conduz os amantes a viagens infindáveis, e a "paisagens" variadas.
Saudade de ler você.
E de refletir sobre sua inventividade.
Abraço muito especial.
Dora

Branca disse...

Bonito texto... gosto de tudo o que escreve!
Boa semana pra ti,
bjo carinhoso,
Branca.