18 janeiro 2009

A casa nas montanhas
pode ser só um olhar para as alturas,
viagens que em voos me embrenho,
desejos de encontro, alguém.
Os fragmentos de Deus, gestos,
dança das mãos, sorrisos, palavras, são
milagres que alteram o tempo.
Então me vejo em manhãs de maio, sereno.
Depois tudo volta a ser real demais e peso.

O mundo é a voz e a palavra
em interconexões de corações e estrelas. A dor
é o grito do todo quando vira fragmento.

A casa nas montanhas revela
que sutil e bem frágil é a felicidade,
fragmentos que caem sobre meu peito em sentimentos
obscuros ou claras percepções. Insignificâncias.
Os fragmentos podem revolver-se em tantas coisas
no longo tempo que é o caminho do olhar.
A ponte que vejo entre um passo e outro, o amor,
é atravessar para o lado de alguém.
Depois tudo volta a ser nostalgia e saudade.

7 comentários:

Mai disse...

Precisamos aproveitar todas as possibilidades de ser e estar no mundo.
Subir montanhas e estar a sós, observando a lua, e as belezas da natureza e do silêncio.
Voar em nuvens de sonhos realizáveis ou não.
Descer e enfrentar as ruas e o cotidiano. Pé no chão.
Navegar em mares e marés de marlins ou de desejos rasos ou profundos dos nossos oceanos e paixões.

Depois ser tudo e nada e de novo tudo, sendo, vivendo, existindo.

Tudo isto em meio à razão e à emoção de Ser Humano. Amar,errar, tentar outra vez, novos caminhos, acertar rotas e, de novo, recomeçar, não necessariamente nessa ordem.

Beijos, Dauri

FERNANDA & POEMAS disse...

QUERIDO DAURI, BELÍSSIMO POEMA DENTRO DA TUA LINHA DE PENSAMENTO... SIMPLESMENTE SUBLIME!!!
UM GRANDE ABRAÇO DE CARINHO E TERNURA,
FERNANDINHA

Menina do Rio disse...

Maravilhoso poema! Fragmentos, gestos e manhãs. São significativos e compoem a vida, no todo...

Um beijo

£oµ¢o Ðe £Î§ßoa disse...

O mar tambem oferece essa possibilidade... e aí notamos a nossa pequenez.

Até outro instante

JOICE WORM disse...

Ai, ai... estou deleitada.

ex-controlador de tráfego aéreo disse...

Oi Dauri!

Rapaz, que texto bonito.

Fico com:
"A dor
é o grito do todo quando vira fragmento."

E:"A ponte que vejo entre um passo e outro, o amor,
é atravessar para o lado de alguém."

Há muita compreensão nisso.

Um abraço fraterno!!!

Marcos Campos disse...

Olá Drauri!!
Belo poema!
"Os fragmentos podem revolver-se em tantas coisas
no longo tempo que é o caminho do olhar."
Isso foi super!!
Gde abraço!!