24 dezembro 2008

(encerrando os poemas do desterro).

Minhas estradas se cruzam na Pérsia, طرقي,
no Pará, no Paraná, no Pantanal.
Mas não há lugar para a reconciliação comigo mesmo,
我的方式, com as frustrações da profecias,
senão ali na terra dos Guaranis, a terra sem males,
na boca do Piraqueaçu. My ways.
Ali sentado aos pés de uma velha castanheira
olhando na outra margem os coqueiros e o vento
nos movimentos de suas palmas,
οι τρόποι μου, me apanho em pleno vôo de paz.
Em paz, no desterro, mas em paz.
Frágil paz, todavia paz.
Revejo o caminho que fiz, 私の方法,
de Vitória à Santa Cruz, dirigindo sem pressa,
e especialmente refaço o encontro, le mie strade,
com os Santos Magos, sacerdotes persas
que tentaram me ensinar a ciência de ver o Númen,
de enxergar o Numinoso em qualquer lugar,
mis caminos também em ramos de flamboyant.
Confesso, não aprendi muito, nem o suficiente, preso demais
às minhas formas de dizer oráculos, meine Straßen.
Contento-me, todavia, com o que ficou das lições,
dos cálculos e modos de previsões,
da análise das constelações, do que da gente
a gente vê nos céus. Fragmentos que ficaram
dos modos de voltar, mes routes, por outros caminhos,
da beleza de presentear-se para os que amamos.
Ali recordo o que posso das poesias e dos segredos que se revelam
na pronúncia das palavras, o canto que se faz com elas;
nos átomos que elas movimentam, os corações que elas abrem;
no chão que elas fecundam, os frutos doces que produzem;
nas estrelas que elas criam, os cometas que elas fazem passar
bem diante dos nossos olhos...

13 comentários:

Eurico disse...

E tu ainda dizes que aprendes algo no meu blogue. Homem, deixe disso! Ando tão pasmo diante dessa tua nova série, que ainda não consegui sequer ensaiar um comentário. Se eu fosse dizer algo diria que, talvez sem perceber, estás a repassar a pres/ciência de ver o Númen. Mas como em "estado de numinoso" me fogem as palavras, nada digo... só con/templo. Também oferto humildemente mirra e incenso! Ave, Poesia!!!

F. Júnior disse...

Esta tem um tom de despedida... de reflexão ao fim do caminho... ao fim de uma etapa da vida... também já segui estrelas à espera que profecias se cumprissem... nem todas eram verdadeiras, divinas, santas... mas isto não o suficiente para nos roubar a fé... a fé de continuar em frente...

Rosemeri Sirnes disse...

Oi Dauri, andei sumida esses dias, inclusive de mim, mas estou voltando aos poucos, apenas um desânimo passageiro. De qualquer forma, passo aqui devagar apreciando a paisagem, quanta vida brota aqui! Parabéns, como sempre espetacular!
Desejo a você um ótimo Natal!!

Beijos,
Rose

paula barros disse...

As poesias....sempre tocam as almas, faz ressoar um canto, um encanto.


Que o verdadeiro espírito de Natal esteja em nossos corações, hoje e sempre.
Desejo, paz, saúde, amor, serenidade, discernimento, harmonia....o resto corremos atrás.

Abraços fraternos

Márcio Ahimsa disse...

Amigo Dauri, às vezes, essa viagem nos mostra caminhos, nos aponta a fragrância das rosas e o sabor dos espinhos, estrada curta ou longa, onde fincamos os pés, calos e açoites de estradas duras, é onde moldamos a mão, um jeito de sermos nós, um jeito de levantar poeira e colher alumbramento.


Amigo,

Boas festas, bom natal.

Saúde e paz, o resto, a gente faz.

Márcio Ahimsa disse...

retratando: moldamos à mão

John Doe disse...

Tenho que fazer as pazes com as palavras, mas eles são rancorosas e eu teimoso... por hora apenas as contemplo por aqui e eli, nas tuas palavras, mas logo eu volto, a teimosia não pode durar para sempre, mesmo porque, como Renato dizia, Pra sempre sempre acaba.

Branca disse...

Feliz Natal!
Desejo que 2009 seja um ano de muitas realizações, tanto na vida pessoal como na vida profissional, sempre com muito amor, muita paz...
bjo carinhoso,
Branca.

Anônimo disse...

ler entrelinhas.....
vida é esperança em algo.....
bj

Philip Rangel disse...

Meus amigos chegou a hora de rever os fatos que marcaram epoca no Entrando Numa Fria espero vcs em mais um inicio de debate..para fecharmos com chave de ouro 2008....

prazer esta akiii
Puts cara..otima hora que encontrei seu log..esses textos definem palavras e açoes.....cada leitura faz vuarmos e acreditarmos que somos capaz...

abraçaooo
Feliz 2009..pouco menos de uma semana...e voltarei aki

Mai disse...

Oi, Dauri.

Nos minutos que me sobram, em doses diárias, tenho lido...
Antes de ontem ensaiei um comentário, mas não consegui postar.
És um homem e um poeta Inevitável, Dauri.
Talvez um dia compreendas o por quê dessa minha imensa emoção (que me dás...)
Um dia, tive fascínio por um escritor que imprimia, em seus textos, (anos após...compilados em livro)conflitos semelhantes a tudo o que leio aqui, em teus poemas.
E não me venhas justificar que são "coisas" que vês ou inventas, não importa...
Para mim, que venho acompanhando desde a Xamãnica, passando pelas ruas, jardins, confissões, as apressadas horas... esta, agora, é o epílogo.
Não conseguiria vê-las desconectadas.
Eu tenho este vício: integro tudo!
"Linko" o que posso. Porque para mim, muitas coisas passam a fazer sentido, quando há uma referência, uma integração.
E, nessa direção, esta tua viagem...Parece-me um verdadeiro e literal "Pé na Estrada" de um remoto escritor de uma geração, a quem amei...
Eu queria muito poder falar...
E dizer mais.
Não devo, ao menos aqui ou agora.
Não tenho pressa. Minha pressa é outra, agora.

Eu não prescindo desta visita ao mundo que escreves e descreves, mesmo que seja ficcionado, é Lindo!

2009 me deu muitas alegrias. Ter te encontrado, certamente foi uma delas.

Carinho e admiração, sempre!

[Eu não vou dizer que sou tua 'tiete' porque isto é ridículo...rss ops, já disse...]

Elcio Tuiribepi disse...

Olá Dauri...andei perdendo poemas por aqui né! Andei meio mals, mas já estou melhorando...
Quanto ao poema, concordo...acho que as palavras fazem festa sim, lançam melodias silenciosas na mente das pessoas e fazem pensar,enfim, mas ainda são apenas palavras...ou estou errado, já nem sei...o que sei é que sua série arrebentou mais uma vez. Um grande abraço e um excelente final de semana...Elcio

Octavio Roggiero Neto disse...

Oi, Dauri, tudo bem?

Ontem pensei em escrever aqui, mas alguma coisa me acanhou. Até comecei a comentar este poema. Muitas passagens dele me saltaram aos olhos e me incomodaram até, pois senti que deveria deixar algumas palavras, e não o fiz.

Aí você deu a deixa lá nas primícias, então achei por bem abrir meu coração.

Quero dizer que sim, tenho sim passado por dias de grande gratidão a Jesus Cristo, pois ele é meu Mestre e tem me ouvido sempre. E ficaria imensamente feliz se você descobrisse as maravilhas e a força eterna que este nome guarda em si.

Outrora você comentava sobre um poema-louvor meu, o Estrela da Manhã: “Uma colheita de poemas místicos, mas sempre cheios de poesia.”

Diria que o termo místico pode não ser o mais apropriado, pois ele me remete ao movimento Nova Era, que é uma tentativa enganosa de se inculcar na cabeça das pessoas que todos os caminhos levam a Deus, o que não é verdade. Somente por intermédio de Jesus Cristo que se chega ao Pai Celeste.

Você escreveu que "não há lugar para a reconciliação comigo mesmo", e isso ficou "piscando" em seu texto, chamando minha atenção. Aprendi pela leitura da Bíblia que o que falamos (e no caso, escrevemos) é aquilo de que nosso coração está cheio.

Uma das mentiras que andam dizendo é que o homem pode bastar-se a si, e inventam mil formas de convencer-nos disso. Já notou que a tendência das pessoas é paulatinamente aderir a estas religiões ecumênicas, que mesclam fundamentos de várias religiões, inclusive do cristianismo, para formar a religião universal? Isso não passa de uma tentativa de enfraquecer o poder da palavra de Jesus. Este movimento que mencionei pretende aos poucos relativizar e ridicularizar o que é absoluto. E isso o faz por meio de vários intrumentos subliminares, como a arte, religiões, propagandas, educação, política etc. Querem, por exemplo, como o fazem os Rare Krishnas, fulminar a família, pois consideram-na uma instituição ultrapassada. Por isso, separam as crianças de seus pais, para que tenham como referencial a idéia de que todos são de todos. Pensa-se grupalmente, passivamente. Perde-se a individualidade, pois assim é mais fácil o convencimento. Novos padrões de moral então são postos, como dito, relativizando princípios cristãos. O homem já não precisa ser de pleno homem, pois já se admite o seu “lado feminino”, e assim também com a mulher, que tem seu "lado masculino". Muitas outras coisas a dizer sobre isso, muitos exemplos também, mas quero comentar uma outra coisa sobre seu poema: você também versejou “Em paz, no desterro, mas em paz. Frágil paz, todavia paz.” Sobre isso, lembro que Paulo, um dos responsáveis pela propagação dos ensinamentos de Cristo no começo da Igreja, esteve preso por diversas vezes em nome do Deus que lhe havia dado a missão de levar sua Palavra aos povos. E há estudos que afirmam que nestas prisões, ele ficava em lugares os mais isalubres, com ratos e excrementos de outros presos, mas mesmo assim louvava com alegria a Deus. Dauri, a paz que tem sua causa em Cristo independe de circuntâncias!

Tantas coisas teria para escrever, Dauri, mas o espaço aqui não comporta. Queria dizer pessoalmente, mas a distância é muito grande, né? O fato é que o mais importante já está dito, é que somente por Jesus que chegaremos a Deus e somente a paz que tem causa nele é a verdadeira, pois independe de circunstâncias.

Que estas palavras sejam sementes em seu coração, meu amigo!

Um forte abraço!