06 dezembro 2008

Anseios no jardim
(continuando a série ASPECTUS)

As tardes esgarçam
e repuxam os lados do dia
e alteram o curso dos pés.
Entre a rosa e o espinho
depois da curva na subida
o perto-da-noite derrama seus anseios
no jardim.
Escorre na alma
por detrás da janela bonita, mas fechada
um veio, um frio de gelo, um fio
de água de gelo que vai
lento, lamento, difuso, dor.
O fundo se encharca
de um caldo de acúmulos.
Ali, exato ali, onde se retoma
o fôlego de viver
a cada instante
se encontra o absinto.
Há que se perguntar de onde vem o veio
e qual o mistério, o aspecto
que determina seu deságüe nessas praias
dos territórios perto-da-noite?
Poder-se-ia dizer,
foi o pecado de não ter amado
em uma das tardes passadas
de qualquer segunda-feira santa.

12 comentários:

F. S. Júnior disse...

poxa Dauri, sempre que venho aqui me surpreendo, o exercício da poesia é sempre bem bom, a cada dia que passa escreves melhor... o final ficou perfeito!
abraços

Wellington Felix disse...

Dauri, sua poesia paira absoluta nos telhados e mentes adormecidas do meu pais, agora é hora ,ja é hora de publicar, tudo , cada verso seu reina e constroi uma realidade de mistério e verdade crua ou trabalhada é poesia pura, absoluta e perfeita para o momento presente

tossan disse...

Ao ler o teu belo poema metalizei todos os detalhes e senti cada movimeto. Muito denso! Abraço

Mai disse...

Dauri,

Estes ultimos dois poemas, me fizeram sentir, algo que não consigo expressar.
Estranhamente moveram experiências talvez muito fundas...
Prefiro continuar reflectindo...Pensando... Sentindo...

Você é muito, muito bom.
E eu adoro vir aqui.

Muito carinho, sempre.

mateo disse...

A tua poesia parece-me uma fonte onde se vem beber. Virei.
Muito obrigado pela tua visita.
Abraço deste lado do mesmo mar.

Lisa disse...

Aqui as palavras são inuteis..
Prefiro o silêncio e saboriar cada palavra..
Feliz noite

Abraço
Lisa

Vivian disse...

...pecado é não ler você,
nesta tarde que lentamente
deixa esmaecer o sol,
dando vazão à noite estelar.


muahhhh

Eurico disse...

Isso, Mai, experiências fundas, eu diria até pelágicas, abissais...
Só os Poetas, como o Dauri, conseguem tanta latitude e tanta profundiade num texto lírico.
Aqui também há epifania!!!

intimidades disse...

olaaa

adorei o teu blog e a poesia que aqui poes

e claro que podes usar as imagens

Jokas

Paula

Jéssica disse...

Lindo, lindo *-*


;**

Opuntia disse...

"Entre a rosa e o espinho" fica o observador atento tentando retomar o fôlego de viver.

Lindo poema!

Rosemeri Sirnes disse...

Sempre que venho dar nessas páginas eu fico estupefata com tamanho talento.É lindo e tudo vira magia com trilha sonora(escuto agora Belfast de Katie Melua) e parece outono.Sou um regador, quem diz que eu faço economia de água não sabe que eu escovo os dentes com a torneira aberta e mantenho o chuveiro ligado enquanto me ensaboo. Por favor, não me condenem.


Beijos