18 novembro 2008

Sim,
quem,
quem,
se não você,
parte louco, um tanto sábio;
também ingênuo, mas iluminado;
um veio nostálgico, um traço dourado;
uma parte caminho, outra curva e atalho;
um bocado sofrido, outro tanto felizardo;
um tempo calado, certos momentos indignado;
um pouco resignado, outro, bem mais, rebelado;
às vezes confuso, muito mais tempo orientado,
uns dias nublado; outros, muitos, ensolarados,
se prestaria a olhar o mundo
com os olhos da poesia?

11 comentários:

Eurico disse...

Avia-te, ó Bardo! com essa frase concluo um conto antigo. Algo agora me sopra essas palavras ao ler o verso final do Aprendiz, que concluem a oração inicial:
"Sim, quem, se não você, se prestaria a olhar o mundo com os olhos da poesia?"
Avia-te, ó Bardo! E te põe a caminho, Poeta Dauri!
*********************
P. S.:
Não venho aqui pra te honrar, mas pra beber da fonte de onde jorra a água nova. Minh'alma anda fatigada dos lugares comuns. E aqui, ó Bardo, encontro a necessária audácia e lucidez poética para realizar esses poemas xamanicos.
Deixo meu abraço fraterno e amigo!

Mr. Ziggy disse...

Com os olhos da poesia ou com a poesia dos olhos? O fato é que brilho tem. Eu vi aqui.

o Cronista disse...

adorei!

sinceramente sou eu,
sempre olhando com os olhos tontos de poesia!

ex-controlador de tráfego aéreo disse...

Oi Dauri,

Rapaz, se você se encontrou lá, fico feliz porque sua poesia é pra lá de ótima e muito me honra recebê-lo por lá.

Gostei tanto que já adicionei seu link na minha lista. Bem, apareça quando quiser, a porta está aberta e a casa, na verdade, é nossa.

Vou lendo e comentando aos poucos suas postagens.

Um abraço!!!

Mai disse...

Oi Dauri,

Não sei bem o que ocorre comigo e talvez saiba... É o poder que a poesia tem e que nos faz experimentar as sensações, de um modo único - sob a perspectiva do poeta.
Consegues isto de forma mágica.
Adoro visitar teu espaço.

Jéssica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica disse...

E porque não? O mundo ficaria bem mais bonito se todos o vissem com os olhos singelos de um poeta. Inocentes, porém maduros.

Gostei =D

Sarah Vervloet. disse...

Consegui misturar sujeito poético com autor, olhos de poesia com olhos de Dauri Batisti. E será que não poderia...? É o que eu consigo ver com os meus olhos da poesia...

Mr. Ziggy disse...

Engraçado que quando te li tb quis "brincar" com teus versos. E quero ainda. Me aguarde. =PPP

Vivian disse...

...meu querido poeta,
o que seria de nossos sentidos
se não olhássemos o mundo
com olhos de poesia?

bjus

tossan disse...

Sem a poesia não haveria a visão total das coisas... Abraço