05 novembro 2008

Buscando o remédio

Tropeço, caio, desajeito meus esquadros
sigo estes passos, espaço entre eles
sementes e ventos de bons pensamentos
que robustecem meus nervos.
O que chora, o que se agita espera por mim.
A febre maldita, as dores, os ais
me caem na mente com baque de chumbo,
no fundo, no fundo me determino ainda mais.
A paz que não tenho, só é paz nos meus passos,
na busca que faço o jeito é seguir, impossível não ir.
No destino a senda, a sina, a solidão e não desistir.
O cruzeiro luminoso se agarra em meus olhos,
me guia no escuro, me ensina o caminho do sul,
mas na busca não danço, me canso, não encontro
a árvore, o cipó, a resina, a folha, a raiz.

7 comentários:

Tatiana disse...

Olá Dauri...hoje faço mais um ano de vida e confesso que estou com a sensibilidade a flor da pele... ela é parte ativa do meu DNA!
E ler cada palavra aqui, tocou fundo meu coração.

Um abraço carinhoso

Alex Sens disse...

Às vezes me parece uma busca infinita, mas eu gosto :) Lindo, como sempre.

abraços, Dauri.

Sarah Vervloet. disse...

Uma hora quer dançar, outra não mais. Vai entender... a única coisa que eu tenho certeza é de que as palavras são sempre muito bem escolhidas por aqui. Parece mesmo que você vive dançando com todas elas... "o jeito é seguir, impossível não ir".

Abraço.

Eurico disse...

Seus múltiplos eus geram sempre boa poesia...
Poemas xamanicos... tema forte e muito bem explorado.
Abraçamigo.

Dora disse...

Seu tema é sempre a busca, e ela se faz sempre pelo "caminhar", pisando o solo, no contato natural, mirando o céu e a terra, entre as estrelas e a natureza vegetal. E o contraponto é o sentir, que vai se acumulando, no corpo orgânico, que contém os sentidos em alerta e a mente atenta.
E essa busca, incansável e solitária, agora focaliza as forças dos remédios das naturezas misteriosas e curativas da "febre, das dores, dos ais"...
Invenções suas, a que nós, leitores, vamos assistindo, post a post...e aprendendo o caminho da poesia.
Beijos, Dauri!
Dora

Elcio Tuiribepi disse...

Olá Dauri, falar dos "Eus", dos próprios eus não é uma tarefa fácil, poucas pessoas se concedem este benefício...Aqui temos um grupo de auto-conhecimento baseado nas experiências do Gurdjief,onde estudamos e tentamos praticar um pouco dos seus ensinamentos...tarefa super difícil, mas, engrandecedora...grande abraço.

Artista Maldito disse...

Olá carissimo Dauri

Venho agradecer-lhe a sua visita, desculpar-me por só agora resonder. Estou a tentar responder a todos os blogs, para poder descansar nos próximos dias. Por isso peço que não me levem a mal, se eu não responder de imediato. Já não é segredo para ninguém que estou a atravessar alguns obstáculos, aos "tropeções". Eu espero voltar em forma depois do dia 17.

O seu poema inspira-me a resistir, por isso obrigada.
Um beijo com carinho
Isabel