18 outubro 2008

Bye

Mira meus olhos, se vão em outras jornadas.
Veja como me escorrego no sofá
e como minhas mãos se entretêm com uma linha curta.
Escuta, há muitos encantos na vida, mas eu...
eu perdi muitos deles sem querer. Vivendo.
É o que todo mundo quer. Viver se ganha perdendo.
Então nos descobrimos em direções contrárias.
Você viu minha ousadia e minha ingenuidade e
construiu um sonho. ...Linda!

...

Eu? Bem, é difícil dizer,
espera... eu me vejo como uma estrada
no fim da tarde quando ainda não se pode parar.
Imagem imprecisa? Não me exija demais.
Meu espelho não é de prata... Temos que ir,
já está na hora. Não demora o sol vai nascer.
Vamos amanhecer ganhando boa estrada.
Onde está a chave do meu carro, do seu? Meu cigarro?
Ah, o sorriso. Sim... Eu prometi. Sim... Linda! Aqui... bye.

10 comentários:

OUTONO disse...

Revigorante.

Obrigado pela visita.

Fica bem!

Alex Sens disse...

Assim, bem rápido, sem grandes preocupações. A estrada é limpa, cascalho fino. Não tem carro porque é pra se ficar onde está ;)

Ótimo! =]

Vieira Calado disse...

Obrigado pelo que disse no meu blog de poesia.
Apareça sempre, que é bem vindo.
Um abraço

Oliver Pickwick disse...

Há quanto tempo, hein camarada? Pelo visto continua um escultor de palavras. Melhor, dessas palavras.
Um abraço!

Jéssica disse...

Me lembrou uma música dos Los.

Lindo =D

Jéssica disse...

Tem um presentinho pra ti lá no blog, depois pega ok? :D

;*

Fernando Rozano disse...

obrigado, Dauri, pelo aprendizado que generosamente me passas: indo em meu espaço, e aqui, em tua escrita densa e rica em matizes próprias da tua sensibilidade e talento. meu abraço fraterno.

Sandra Leite disse...

Ai, Dauri

Quanta sensibilidade com as palavras! Palavras sentidas, não sei se fruto das "caixinhas" ou do agora. Mas são reais, ainda que não sejam. Entende? E eu fico aqui, admirando tua sensibilidade! Palmas, muitas palmas.
Meu carinho

beijos

Iana disse...

Uff!!! O que é isso!? Simplesmente fascinante!!! Bravo... bravo!!!!

Beijos e beijos uma óptima noite de domingo

Abraços a rosa amiga
Iana!!!

Artista Maldito disse...

O seu espelho "mordido" pelo tempo
invoca os fragmentos reunidos em imagens que do fundo do poema obrigam a retomar o seu início...o da estrada percorrida pelo corpo do eu poético.

Um abraço de amizade
Isabel