13 setembro 2008

Arrebente-se em sonhos (já em setembro)

Telhas de barro malcozido, mau assentadas,
luz pelas frestas formando anjos compridos,
muitos, de pequenos fios e coisinhas flutuantes.
Calmo o sol avança ignorando o desejo, os sonhos
que se foram embora. Já em setembro
tantos se foram, poesia que não vivi.

Outros sempre chegam, sem convite,
descarregando desejos que me eletrizam.
Olhar para o alto sem saber o que fazer exatamente,
mas com cada músculo pronto para saltar.
Telhas que deixam passar o que deviam reter:
estes raios compridos, insufladores, instigadores.
Em qualquer lugar e de várias formas
me dou com eles a sussurrar: arrebente-se em sonhos,
refaça-se em rebeldia a cada sol que se levanta.

Eu queria me amansar, mas não me disciplino,
o que me faria bem-aventurado não me faria feliz.
Deus mesmo é o culpado.

9 comentários:

eder ribeiro disse...

há, até, a necessidade da fresta no telhado para sentir deus, mesmo que seja para lhe culpar. abçs.

Dauri Batisti disse...

Eder, Deus mesmo é o "culpado" por fazer o homem inquieto, a criar-se a toda hora, rebelde, sempre a inventar coisas, a buscar novos caminhos, estar sempre com os músculos retesados para novos passos, sonhar novos sonhos a despeito de tantas frustrações.

Jacinta Dantas disse...

Nos seus versos, revejo imagens e cenas que, na adolescência, eu extraía das frestas e projetava nas paredes da minha casa, no final de um dia ensolarado, em tardes de domingo.
Muita gente no apertado espaço, muitas preocupações...
Mas os raios dourados de sol ajudavam-me a sonhar e apostar na vida. E, se Deus é o culpado, que bom! enquanto há vida há inquietações e, a gente vai levando...sonhando.
Beijo

Ilaine disse...

Dauri...

Sim, é setembro, já é tempo de sonhar. Enquanto que no hemisfério sul a primavera faz despertar amores e poesias , aqui é quase outono. Uma mansa melancolia enche os ares. É tempo de refletir, de curtir a casa e escrever longas cartas...

Abraço

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Oi querido
Pode reclamar, tô sumida mesmo, é que tudo sumiu... empregada, faxineira, etc... só não sumiram as roupas sujas, a casa suja, o serviço, a falta de tempo, snif...
Ano passado falei que ia ve vingar de setembro que insistia em levar embora as pessoas que mais amei, nada feito, ele continua me perseguindo...]
Estamos pensando num café terça de tardezinha... se der vamos te ligar
beijos e bom restinho de domingo

Jo disse...

Oh dilema mais q compartilhado em seus vários ângulos:

"o que me faria bem-aventurado não me faria feliz"


bjim

Tiago Soarez disse...

Dauri,

Antes de mais nada, gostaria de te agradecer por ter me incluído na lista de blogs que você visita. Gostei muito!

Agora, sobre o post, além de ter gostado muito do que você escreveu, eu visualizei a casa, as telhas, as frestas e tudo mais.

Muito bonito mesmo!
Ótima semana para vc!

Abraço!

Bossa Nova Café - textos, música e arte!

Dora disse...

Setembro vai, setembro chega, no ciclo das estações, e os sonhos teimam em permanecer. Qualquer fresta por onde os raios de sol escoam...o sonho aparece, o devaneio, a imaginação: enfim, a rebeldia de quem não quer ser "bem-aventurado", mas quer ser "venturoso".
Poeta é indisciplinado, de nascença!
Abraço para você, poeta!
Dora

lyani disse...

"Eu queria me amansar, mas não me disciplino,
o que me faria bem-aventurado não me faria feliz"

Você também escreve o que muitos sentem. Bem, pelo menos o que eu sinto!

Lindo!
bjos,
Ly