04 novembro 2007

Rei dourado

O rosto do faraó Tutancâmon foi mostrado hoje (04/11/07) pela primeira vez na história, depois de sua múmia ter sido transferida de seu sarcófago para uma urna transparente no interior de sua tumba no Vale dos Reis, em Luxor, no sul do Egito.



Vi o rosto de Tutancâmon.

Tu-tão-cansado
como qualquer um
que morreu.

Tu-tão-cândido
como um menino
sol dourado que se pôs.

Tu-tão-comum
como gentes e desertos
e sofrimento sem fim.

Tu-tão-compungido
como escravo a cumprir
o que o dono dos destinos mandou.

Tu-tão-começo
como jovem que não findou,
antes de acordar, um sonho bom.

Tu-tan-câmon
Tudo tão confuso nesse mundo que já foi o seu.
Mas bem sei que seu sonho bom também é meu: querer viver.

Eternidade é outra história...



Ps.: Este poema poderá ser modificado.

2 comentários:

Jacinta disse...

Diferente...
Irreverente...
Mesmo que seja modificado, fica a primeira mensagem.

Jacinta Dantas

Wellington Felix disse...

Daril você já é fonte!
teu poema porto tem filhos!!!
fui escrever um comentário e saiu poema.

sobre esse novo poema esta muito legal me faz pensar
Tanto poder...
fica assim tão fragìl, precisa até do vidro para protege-lo do ar