09 dezembro 2011

dizer umas palavras. Ninguém prestava muita atenção, mas havia ali um desejo de dizer. O som, as luzes, as pessoas ocupavam todos os lugares. Queria dizer riacho com areias brancas e águas transparentes, mas não, não disse isso, apenas sorriu timidamente, e deu-lhe o bilhete. Na verdade me contaram depois que ali estava escrito: tenho muitas cismas na mente, e receios no coração, e um titubeio na voz... mas escrevo: te amo  

5 comentários:

EDER RIBEIRO disse...

Se pelas palavras dizemos dos sentimentos, são pelos gestos que o tornamos real. As suas palavras, de uma maneira tão sua, peculiar, tranfere para o papel o que seria só possível pelos gestos. Abçs.

Vivian disse...

...estava com saudades de
te ler.

sempre encantador!

bjs, poeta!

Paula Barros disse...

Tem escritos seus que comento no calor da emoção, outros fico relendo sem saber o que dizer. Este por exemplo.

O "te amo" tem mudado de cor? Ontem acho que vi vermelho. kkkk

abraço.

Paula Barros disse...

As imagens de alguma forma me tocam, trazendo lembranças, ou vontades...despertam sentimentos.

abraço.

Vieira Calado disse...

Meu caro:

Aproveito esta oportunidade

para desejar-lhe uma feliz

Quadra Natalícia.

Um forte abraço.