16 outubro 2009

IV

No meio o ponto de início,
uma ocasião. Possível
caminho. A pedra,
uma outra atitude.
O futuro não absoluto, nem senhor,
mas presente ali, na manhã.
A manhã que se vive
mesmo já sendo tarde.

... talvez seja ternura.

10 comentários:

[ rod ] ® disse...

o tempo e sua atemporalidade... turnos que se esbarram num desejo único. abs meu nobre amigo.

Márcio Vandré disse...

A manhã e suas manhas.
O suspiro, que acalenta e salva um dia.
Pedras ociosas que vêm do céu, perturbar a doce escalada do sol.
Eu não vejo nada pela janela.

...Talvez seja devaneio.

Abraço!
Vou voltar a visitar esse espaço.

paula barros disse...

Eu li assim:
A vida ainda é possível. E sempre pode se iniciar.
Mudanças são possíveis.


Adoro a palavra ternura. Talvez não faça muito parte de mim. Mas acho ela tão bela. É como um abraço que nos abraça por inteiro.


abraço

Vivian disse...

...toda manhã trás a ternura
de um dia que começa limpo,
vazio e pronto para que nele
se desenhe o nosso melhor...

beijo imenso, querido lindo!

Fabiano Mayrink disse...

mesmo ja sendo tarde... porem nunca é tao tarde para se espalhar ternura...

Juliano disse...

A manhã foi feita para ser vivida, embora muitos não a aproveitem.

Abraços

Mai disse...

Talvez é meio é tarde, é manha de ternura. Fluxo de amanhãs.

beijo

Maria Helena disse...

Não importa o estágio de vida, o momento,a hora.Como é bom pensar que é sempre de manhã e melhor ainda sentir...
Bjs
Maria Helena

tossan® disse...

São etapas, e a pior é o tédio, a que salva é a ternura, a saudade machuca e a gratidão vem da grandeza do ser. Abraço

MEMORIA DE ELEFANTE disse...

Bonito, reflexivo poema!Gostei !!!
Ter de recomeçar do meio,arriscar, romper os limites, transpor a tudo.
Incerto futuro,ma nunca perder a ternura.

Abraço