13 agosto 2009

Vai-se
na noite áspera
um desejo de poesia.
Magma na pele rasgada,
palavras explodem
no impacto com pesados volumes de anseios
que viajam sem rumo pelo espaço.
No início um grito por dentro,
um grunhido depois, um pormenor.
Uma frase, um ponto,
poeira no fim.

4 comentários:

Rodrigo Andreiuk disse...

lindo!

Rodrigo Andreiuk disse...

Oi Dauri!
Ganhei recentemente o selo 'blog de ouro', que uma espécie de prêmio dado entre os blogueiros. Como uma espécie de homenagem aquelas pessoas que se dedicam a ter um blog muito especial, e com qualidade, como é o seu.
Esse selo vai sendo repassado. E cada premiado escolhe mais 4 blogs para repassar. Escolhi o seu pois gosto muito dele.
Deixo abaixo listada as regras dessa premiação. Pegue a imagem do selo que está no meu blog e coloque no seu, se achar legal este prêmio!
abaixo publico as regras.

Abaixo publico às regras dessa premiação.
As regras do prêmio são as seguintes:

1- Exibir a imagem do "Selo de Ouro"

2-Postar o link do blog que lhe indicou.

3-Indicar 4 blogs de sua preferência.

4-Avisar seus indicados.

5-Publicar as regras.

6-Conferir se os blogs indicados repassaram o selo e as regras.

Eurico disse...

Dauri,
quem fica grato sou, somos nós, os teus leitores. E agora que tenho indícios do que vem a ser o não-poeta, sabedor que "a flor é um sol, e o poema é sombra", passo a te ler com mais fruição e curiosidade. Eriges uma poética, a partir de uma poesia de não-poeta.
E é essa poética que leio, para além do que está escrito nos teus textos. Esse diálogo só me enriquece. Pois sobre nosso processo criativo se pode falar.
A poesia, só lendo Essa Palavra.

Abraçamigo e fraterno.

Mai disse...

Um ponto, pode ser um começo.
O fim de uma linha é o fim, não o final, é um recomeço.
Estás transbordando.beijo