12 maio 2009

3
1Nao se pode esquecer
que as ardências se alastram
pelos prados. 2Brotam pedras
do chão tingidas de vermelho.
3Sofrem os que respigam
em pequenas vasilhas a vida de um dia,
e os que fazem caminho no próprio suor.
4Os salteadores aproveitam-se
da secura dos descampados.

5Não se pode rachar uma madeira
sem que a vida dele seja atingida.
6Reconhece-o quem se veste
com olhos de girassol.
7Da colina escorrem seus passos
em riachos. 8Remédio é o que está
no lado de dentro das letras.

4 comentários:

paula barros disse...

Olhos de girassol
Procuram o sol
Para iluminar a noite que se fez na alma enquanto era dia
Buscando a camolina nas colinas
Para acalmar a dor
E nas palavras encontra quebra pedra
Toma o chá para dissolver as lágrimas
Antes que vire rocha coração.


Dauri, desculpa, não sei comentar.

boa noite, bom amanhecer. abraço

Anônimo disse...

Poetar é transbordar, transbordar o que borbulha dentro, brotar, pulsar, borbulhar, conseguir ser. Minar alma e vida.
Parabéns pelo dom da sua vida que é vida em nossa vida!
Muitas luzes neste aniversário; muitos anos nesta vida; muitos anos conosco.
Paz e bem!
Charles e Rachel

Eurico disse...

Seguidor de evangelhos, cá estou a seguir o teu, apócrifo.

Abraçamigo e fraterno.

Germano Xavier disse...

Desamarrando os nós da poesia.

Cadarços vérsicos.
A sola.


Assola-nos
de...


Abraço forte, Dauri Jack.
Continuemos...