19 maio 2009

(eis o nono capítulo - últimos fragmentos - do que estou chamando de
evangelho apócrifo de Cafarnaum. Mais adiante voltarei a publicar
aqui novos capítulos. Obrigado. Publicarei agora uma outra série.)

9
1Anuncio-vos o anteontem, o dia
que passou. Para o Pai nada passa,
todavia. 2Ainda é tempo. Edificai
sobre um coração puro o vosso destino.
3Eis que vos faço próximos do Reino,
esta fonte de ser feliz.

4O eco já não vos importa.
5O que vos garante a vida
é o grito que agora vos purifica.
6O limiar do fogo pode ser o sopro
do espírito ou a quentura infernal
da perturbação que vos oprime.

7Então ele se dirigiu a mim e disse,
volta à poesia dos campos e
à inocência da margens viçosas de um rio.
8Manifesta-te a ti mesmo e reconheçe
a serpente que se insidia em teus pomares,
se és sincero no desejo da felicidade.

9Mestre, eu disse, sois áspero com as palavras,
quem poderá ouvi-las? 10Ele virou-se,
e o olhar era o de sua mãe,
tomou um cálice de água e o deu a mim e disse,
doce é a uva, fruto da bondade do Pai. Tomai,
é vinho. 11Todas as existências estão unidas.

6 comentários:

loba disse...

O seu momento tem a ver com o meu. Estou descobrindo o poder da vinha!
Muito bom me encontrar aqui.
Beijo!

loba disse...

Mas não disse do meu encanto pela poesia. Parece que flui como manancial. Te ler é sempre um aprendizado.

Wellington Felix disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Wellington Felix disse...

Sinto que ja me foge a capacidade de comentar, tão lindo e tocante são suas palavras que a nós mortais só nos cabe senti-las, vibrarem força consistência e relevancia, trasmutação para toda a blosgsfera, e por que não dizer para a humanidade e eternidade, devo dizer que você querido Dauri, ja figura entre meus poetas preferidos, dentre eles
Fernando Pessoa,Drummond,Octavio Paz, Bertold Brech, Matsuo Bashô, Maiakowsk, e com a vantagem de estar na ativa! Parabens

Avassaladora disse...

Dauri, vc é sempre tão encantador...

Atente para o fato que sou apenas uma pareciadora de seus poemas, jamais uma crítica literária...rsrs

Até porque nem em sonhos poderia ser...

Meu amuigo, beleza mais bela é justamente a beleza densa, dura, forte, "rasgante"(será que tem essa palavra? rs)...
Quando o belo é muito óbvio, perde a graça... Consegui dizer alguma coisa? rsrsrs

É esse "arranhar na alma", " retalhar o coração em tirinhas", que sinto em suas poesias que me encanta...

Ufa, sentimentos a flor da pele...rsrsrs



Vc e seus poemas!



Beijos avassaladores!


PS: Por que retirou as fotos da fazenda de seus avós? E adorava me perder naquelas paisagens...
Lembra a de meus avós tambem, só que não tenho foto...

Eurico disse...

A leveza. A leveza do gesto do Mestre. Essa leveza só a poesia traduz. Só ela também nos conduz ao epicentro do fenômeno, por mais misterioso e sagrado que seja. E só ela nos oferece água para que saboreemos vinho.

Fraterno abraço.