12 dezembro 2008

X.
Uma saudade ao som do rock dos anos 80
apertou o peito do rapaz da fotografia.
Ele mesmo, ali e aqui,
e entre os mesmos, o outro,
debochado, o filho de Urano,
feliz.

XI.
Poemas não são sentimentos,
nem sublimes modos de falar.
Poemas são ventos, os mesmos
que passaram pelas gargantas dos dinossauros,
das gralhas, dos patos e dos leões.

XII.
O propósito do quadrado
sempre foi tornar-se um caminho.
O cometa preso no quadrado
procurou em cada canto uma fenda
e escapuliu com a ponta da linha.
Os magos seguiram o traço
e encontraram o menino.

Hora extra
Ignora-se a criança no acalento de maternos braços,
do mesmo modo o navio levado ao berço do porto
não sente o oceano que lhe balança,
bem rente às mamas
e às axilas das marés.
Ignora que no cais, na pedra, há uma palavra que diz:
agora, nessa hora, alguém pode ser feliz.

11 comentários:

Mai disse...

Dauri, o que será que me dá?
"...Ignora que no cais, na pedra, há uma palavra que diz:
agora, nessa hora, alguém pode ser feliz."
Acolhimento, Chama que arde dentro, água que hidrata e conduz elementos...
São mesmo extras, estas horas. E parece que findo, o giro de um relógio que apenas XII marca, já vai embora meio dia.
Queria te lembrar que ainda faltam outras doze PM...
Me bastas o tanto bastante à minha emoção.
Meus sentidos degustam e sorvem, tudo que aqui leio.

Carinho.

Muito.

intimidades disse...

a hora extra esta um espanto

Jokas

paula

Letícia disse...

Bem, você esteve em meu blog e disse que sou profissional. Sou sim, Dauri. Professora e tenho até carteira de trabalho. Mas quanto às palavras, não quero e não me permito dominá-las. São meu passatempo. Agradeço por ler meus textos.

E venho ler de novo.

"Poemas não são sentimentos,
nem sublimes modos de falar."

(Dauri Batisti)

Já li muitas definições sobre poemas e esta foge do padrão quando diz que não é sublime. Aumenta a espessura do poema e faz dele o tempo todo.

E adorei a imagem entre mãe e mar - criança e barco.

Acho que nós sabemos quem é o profissional aqui.

Beijos.

paula barros disse...

Estou por aqui, lendo e lendo, achando muito bonito. Observando as fotos da ponte.

bom final de semana!

fred disse...

"Poemas não são sentimentos,
nem sublimes modos de falar.
Poemas são ventos, os mesmos
que passaram pelas gargantas dos dinossauros,
das gralhas, dos patos e dos leões."


Isso mesmo.

Grande abraço

Elcio Tuiribepi disse...

Brincando com as palavras se chega aonde nem sequer a imaginação ousou pousar... muito bom...

Rosemeri Sirnes disse...

Uma hora dessas me atrevo a escrever poemas como você, um dia eu aprendo a ser precisa e definitiva.

Beijos

Márcio Ahimsa disse...

Olá, Dauri.

Poemas e fotografias,
ambos mudos, ambos loquazes,
configuram-se em cartazes
para expressarem
o quão belo é a poesia
registrada nas mãos desse menino
acalentada pela voz de poetas assim.

Abraços.

Artista Maldito disse...

Bom-Dia Caro Dauri

"Poemas são ventos", concordo com esta definição do poema, toda a arte parece ser o vento devorado na funda garganta da vida, balançando nas vagas das marés.

Que bom ver aqui fotos do Brasil, bela cidade. Obrigada Dauri pelas belissimas palavras que me deixou.

Eu desejo-lhe um óptimo fim-de-semana.
Um beijo com carinho,
Isabel

Eurico disse...

Os ventos são phon/emas.
E tu, poeta-eólico,
sopraste esses poemas...

Abraçamigo e fraterno!
Ave, Poesia!!!
Ave, Palavra!!!

eder ribeiro disse...

pudesse a felicidade estar em um grão de areia, tenho certeza que em tuas mãos se transformaria em poesia, que é senão a própria alegria. abçs gde poeta.