26 agosto 2008

Arde, queima, incendeia-me,
procuro nas mãos, no peito,
por dentro, por fora,
ontem, agora, e não encontro,
até que me dou conta que está nos olhos
este fogo, este ardor,
nem de dor, nem de amor. De algo triste,
sem ser de tristeza mesmo que me entristeça.
Procuro um livro, uma aventura,
um café, uma quentura, outra
que não esta que me seca os olhos
e me expõe aos outros,
nu, maltrapilho, maldormido.
Sem sonhos me escondo,
chamo as palavras, nada fala,
de nada falo, não sei o nome, o que sinto
é o silêncio que vem das estepes, parece,
cinza como lobo, olho que arde
quando olho pra dentro vejo cinza,
vejo fora, arde, queima o que resta, enfim
...
o silêncio cinza-me pelo chão.

Um vento bom sem pretensão
passa e levanta-me no ar...
É a "deixa" para eu renascer.

10 comentários:

Tiago Soarez disse...

Dauri,

o bom de passar por aqui é que sempre o que você escreve faz bem a quem lê!

finalmente aprendi a usar o leitor de RSS e agora pretendo passar aqui com mais frequencia!

grande abraço!

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Meu querido,
Parabéns pelo dia de hoje!!!!
beijos

Lyani disse...

Muito clichê eu dizer de novo belas palavras não é?
Vc é muito bom Dauri, parabéns!!!

Ah, tem presente pra vc no meu blog!!! =D
bjos

João Videira Santos disse...

Se bem dirigida, a palavra pode ser um dardo da verdade. Gostei do poema.

F. S. Júnior disse...

Dauri,

sem parecer pretensioso, mas a cada visita minha gosto mais dos seus poemas, estão melhores, menos formais e mais sinceros... ao menos é o que me parece... este é mais um... abraços

Dora disse...

O olhar penetra tudo. E acaba se queimando com a realidade, de dentro e de fora...Deixar tudo reduzido a cinzas, silenciar sobre elas. E a "deixa" vem, despretensiosa, sim...Nesse vento que carrega as cinzas e passa tudo a limpo.
E vamos caminhar...poeta!
Beijos muitos!
Dora

Eurico disse...

Fênix? Alçada aos ares pelo poema, esse vento bom sem pretensão, renasce a poesia.
Bom te ler.
Faz bem, traz estesia.
Abraçamigo.

JOICE WORM disse...

Que delícia de leitura, Dauri.
Aproveito para te deixar um beijo e um desejo de bom fim de semana!

Mara faturi disse...

'O silêncio cinza-me pelo chão"...gostei de tudo aqui,mas em especial esta fala me grita,me rompe em encantamento;visitarei sempre;add nos meus favoritos!
um bjo!

Luiza disse...

Quando nos faltam sonhos,
a cor é cinza,
a palavra é o silêncio,
o sentimento é a tristeza.
O que sobra do fogo também é cinza, que a boa brisa leva ...até outro fogo arder.
É preciso renascer...sempre!

Obrigada pelas poesias!

Abraçaõ.