25 março 2008

Palavras para espantar capeta

Ocupei-me. Desocupei-me. Preocupei-me.
O sono desabou nos olhos. Aridez, barulho.
Nem teclados, nem rascunhos e canetas,
o sonho de um novo poema se apagou inteiro.
Sementes desperdiçadas. Palavras sem liga.
Pássaros ruins querendo minhas árvores lindas
para os seus ninhos imundos. Caí cansado.

Um universo inteiro – um inferno? -
ficou zunindo debaixo do travesseiro.
Mas ouvi sei lá de quem, de ninguém, de mim mesmo:
ame as palavras que brotam tortas e espante o capeta.
(sem saber as palavras certas para espantar capeta,
disse sem pensar, fazendo o sinal da cruz,
vá capeta e descubra quanto pesa o fogo).

Olhei para o rasgo e vi como as sementes quentes ganhavam raízes,
carregavam minhas dores, aumentavam meus espasmos de festa,
revigoravam meus prazeres e sonhavam meus poemas em flores.
Ufa! Por pouco não perdi esta bendita inspiração.
(Se bem que não acredito nela, nem no capeta).

10 comentários:

Lyani disse...

Simplesmente amei o início deste poema... tão belo, tão bem delineado:

"Ocupei-me. Desocupei-me. Preocupei-me.
O sono desabou nos olhos. Aridez, barulho.
Nem teclados, nem rascunhos e canetas,
o sonho de um novo poema se apagou inteiro"

Parabéns...belíssimas palavras como sempre!

Ana Paula disse...

Macacos me mordam!
não é que esses "diabinhos" também querem ocupar o meu travesseiro e me fazer pensar que as dores são maiores do que são. E aí, vem o poeta e diz que se pode espantar o capeta, mesmo não acreditando que ele exista. Uauuuu
Um abraço
Ana Paula

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Querido Dauri
"o sonho de um novo poema se apagou inteiro.
Sementes desperdiçadas. Palavras sem liga."

É... apagou muita coisa na minha vida nos últimos tempos. Mas qual a fênix, aos poucos vou ressurgindo das cinzas, reaprendendo a fazer liga.
Desculpa a ausência e obrigada pela presença.
Um grande beijo

Luiza disse...

"pássaros ruins querendo minhas árvores lindas para seus ninhos imundos". Preocupação e ocupação em excesso parece que dá vida a esses "capetas".
Quanto a inspiração; sensibilidade ordenada em palavras certas, em poesias maravilhosas!

Parabéns!

Um grande abraço!

Mike disse...

Grande Dauri...
há uma grande controvérsia que habita em mim (uma entre muitas)... eu ainda acredito em inspiração, na verdade eu acredito q tudo é inspiração... inclusive vc e suas encantadoras/perturbadoras palavras.

Octavio Roggiero Neto disse...

Dauri, Dauri, sei bem o que é sentir-se assim... enquanto a cidade dorme para o outro dia (para o mesmo dia), os poetas continuamos em nosso transe, acordados, diante da janela que emoldura o vago.

forte abraço, irmão!

F. S. Júnior disse...

nem no capeta?
quando eu era mais novo e comecei a escrever, ou achar que que estava escrevendo, sempre que me aconteciam versos, que brotavam do nada, achava eu que eram sopros do capeta, que ficavam a sussurrar versos nos meus ouvidos... hoje não mais, não que eu não descreia... mas uma coisa boa, mesmo com todas as falhas que possam ter os meus versos, jamais poderiam advir de algo ruim...

ps: enquanto estava aqui a ler teus versos, estavas lá no gamella a comentar...

abraços

Elcio Tuiribepi disse...

Oi Dauri, infelizmente aquela ainda não é uma nova...rsss, mas tá saindo uma fresquinha, e logo, logo, devo postar...valeu a força, o incentivo, mas agora preciso alar de seu poema...

Olhei para o rasgo e vi como as sementes quentes ganhavam raízes
e carregavam minhas dores, aumentavam meus espasmos de festa,
revigoravam meus prazeres e sonhavam meus poemas em flores.

Lembrei-me de um pé de verseiro...rssss...muito bom amigo, cada vez mais inspirado e antenado com as coisas da alma...parabéns...e que venham as inspirações...um abraço

Poetisa da Alma disse...

Fantastico estar aqui conhecendo um belo talento!
Um abraço carinhoso!

osátiro disse...

Às vezes os diabinhos são diabões.