02 fevereiro 2008

As formas se deformam

Odeio

Olhar fotos,
olhar fósseis,
olhar-me.
Ver.

Vejo as formas,
se deformam,
passam.

Passo.
Passageiro
de um trem
bala.

Bosta!

8 comentários:

Dauri Batisti disse...

Há duas palavrinhas ocultas no início e no fim do poema.
Se quiser, passe o mouse sobre o espaço branco. Antes porém, você pode, olhando a lógica do poeminha, tentar descobrir quais são as palavras. Abração.
Seja sempre benvindo.

Jacinta disse...

hehehe,
consegui advinhar a palavrinha. Muito bom!

Jacinta

Octavio Roggiero Neto disse...

rastros de nós na paisagem, rastros da paisagem em nós, e palavras ocultas gritando no silêncio do verso! não as advinhei, mas viajei nas vidraças turvas deste trem bala inabalável. nosso destino é o não-saber...

Dauri Batisti disse...

Caramba Octávio,
"nosso destino é o não saber". Isso doeu, de tão bonito. Valeu.

Lídia disse...

Admito,
A curiosidade bateu antes, e fui logo passando o mouse em cia do poema...eheheh

Mulher né
¬¬



Muito obrigada pela visita Dauri!!
Volte sempre que quiser, tá?

Tudo bem que não tem poemas tão belos quantos os teus, mas enfim...eheh

Já és muito bem-vindo!


Beijão!




Nota: Estou quase me perdendo entro o certo e o errado.
=/

Sandra Leite disse...

Coincidentemente, ouço agora Piazzolla. :)
Encontro marcado, não do Sabino, mas nosso, da palavra, da arte!

Flavia disse...

E gosto de olhar de fotos.
Mas não para me ver ou ver os outros,
mas para sentir de novo aquele momento mágico que só a foto guardou...

Bjs!

~Irmã disse...

Tudo é muito mais´rápido que o passar do trem bala,por isso gosto de olhar fotos.
Ah!demorei um tiquinho mas descobri as palavras.