24 janeiro 2008

Do abismo

Isso não era para estar aqui
nem para ser lido.
Regurgito
do abismo
poesias das quais me alimentei
pra me manter vivo;
foram pegas no refluxo,
arrastadas na golfada
e transformadas
em poemas.

4 comentários:

F. S. Júnior disse...

acho que todo poema não devia estar onde está.

Irmã disse...

Quem me dera regurgitar poemas tão belos!Mas, como não sou poeta,me alimento dos seus.

Jacinta disse...

Nesse poema, vejo a imagem de um bicho alimentando seu filhote com o próprio bico. Regorgito de cuidado, de interesse, de amor...

Um beijo
Jacinta

Mai disse...

Sempre que leio os abismos, eu lembro Drummond.
E são imensas essas fendas abissais...
Olha, eu inda não sei...