03 junho 2013


Eu precisava de um amparo quando li aquele poema chinês (novo conto)

 
Eu precisava de um amparo quando li aquele poema chinês, eu procurava um amparo, ou um impulso pra me levantar, rolei com os pensamentos, não sei se rolei ou me arrastei, parecia que eu tinha batido a cabeça em alguma coisa, ou alguma coisa tivesse batido na minha cabeça, as nuvens, as nuvens me acordaram, vi as nuvens quando acordei, o céu estava mais próximo, o céu azul de fazer os olhos se fecharem, ou foram as formigas, as formigas que me picavam me despertaram daquele poema chinês.

Eu fiquei caído ali, olhando as nuvens passando devagar naquele azul muito carregado de luz, eu nunca usaria uma camisa daquela cor, todos me olhariam também, não gosto que me olhem, muitos, gosto apenas que alguém me olhe, as nuvens se amontoavam num lado do céu.
 
Ah, não lembro mais onde o sol se levantava lá naquela vila onde cresci, naquele tempo eu não me preocupava com o tempo, o sol podia se levantar e se esconder e tudo continuava como sempre, se a laranjeira floria e depois dela colhíamos doces laranjas pra se chupar ao seu pé, se um milharal seco era quebrado ao se recolher suas espigas e logo o arado lhe misturava com o chão, palhas viradas em terra, nada mudava.
 
Aquele homem não existia no poema chinês, ele se metia nele, as pessoas se intrometem, mas ele, apesar de intrometido, demonstrava querer me ajudar, ele me reerguia do chão com palavras boas, não me pergunte quais, palavras boas não são aquelas que você pensa, são aquelas que você ouve, mornas, calorosas de um afeto mesmo sem sentimento, porque o homem não me conhecia.
 
Ele me levou para algum lugar, me pôs sentado numa espécie de fundos de uma loja, outras pessoas chegaram, uma mocinha linda com um copo d’água na mão e outro no olhar, preferi este último, mas bebi aquele. Então se repetia a pergunta que só agora eu conseguia ouvir, o que aconteceu rapaz? Eu não sabia responder, apalpei os bolsos da jaqueta e não encontrei o livro de bolso, o livro de poemas chineses.

8 comentários:

Maria Helena disse...


Puxa vida!Que conto lindo!Os Parágrafos se passam em ambientes e lembranças diferentes mas bem entrelaçados.É um conto vibrante,forte e denso sem ser pesado;e rasgando poesia!

Maria da Luz Fernandes disse...

Neste os sentimentos ganharam cor, movimento e imagens.

eder ribeiro disse...

O conto instiga ao leitor a necessidade da continuação. O q será q aconteceu? Aguardamos. Abçs.

Dauri Batisti disse...

Valeu, amigos, pelos comentários. Eder, estou fazendo o exercício de escrever pequenos contos.

Márcio Ahimsa disse...

O livro ficou guardado no bolso do tempo, esticando ainda mais a saudade de palavra que o homem um dia semeou em provérbios pelos canteiros da vida...

Abraços amigo.

Dauri Batisti disse...

Que bom vê-lo por aqui, Marcio. Gostei da sua leitura do conto.

vieira calado disse...

Havia um tempo que não o via!
Deixo-lhe um forte abraço!

:.tossan© disse...

Belíssima escrita!
É como montar numa moto
e sair por aí a procura de mais cultura.
Abraço meu amigo de sempre