05 novembro 2011

Ao abraçar minha mãe
- arcano do céu desvendado em amor cotidiano -
senti na sua pele branca de mãe italiana,
vindo do interior do seu coração,
o bálsamo indescritivelmente bom
de salas com tetos altos, janelas amplas,
portas abertas, acolhida certa,
horta orvalhada, montanhas altivas...



... e lembrei,



forçado por movimentos agradáveis no peito,
do interior do Estado do Espírito Santo
de onde migramos nos anos setenta.
Vitória, ó cidade de Vitória!
Uma das mais lindas do Brasil.
Tu és agradável aos olhos como uma visão de mãe,
mas o interior, o interior do Espírito Santo,
ah, o interior...


... é Deus.

13 comentários:

Dauri Batisti disse...

Ontem, no fim da tarde, depois de longos 6 anos de um semicoma, respirando por aparelhos,minha linda e querida mãe faleceu. Hoje vamos levá-la para um lugarejo no Interior do Estado do Espírito Santo.

Paula Barros disse...

Dauri, ao ler seu poema fiquei emocionada, e agora ao ler seu comentário mais ainda.
Lemos o blog mas nunca sabemos o que o outro passa e vive, nem seus sonhos, nem suas dores.

A-Deus, um adeus. Ah! Deus. Um adeus de muitas homenagens você me fala, de muito amor, de muita beleza feito tudo que você escreve, de uma delicadeza que impresiona e emociona -poema, imagem, um pouco de vida, a sua.

Siga com um abraço forte.

Paula Barros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
EDER RIBEIRO disse...

Li o texto e não tive como não me emocionar e me lembrar da minha mãe, a nossa ligação é uterina, não aquela que liga o físico ao físico, mas a que liga a alma a alma. Só de pensar que um dia ela vai desencarnar, eu vou as lágrimas, espero que qdo este dia chegar eu esteja preparado, mas nunca estamos, não é amigo. O que dizer numa hora dessa, que, no que acredito, somente o corpo morreu, o espírito está vivo e, com certeza vocês se encontrarão. Nesse momento que você possa encontar em Deus e no que acredita, a força para lhe ajudar neste momento. Um abraço afetuoso e demorado para toda a família.

sonia regina disse...

Bela e emocionante homenagem,que ligação forte e maravilhosa.lembrei muito da minha,mas sabemos que a distância não separa os corações e com certeza o céu ganhou mais uma estrelinha.Um abraço carinhoso para toda a família.

Rejane Martins disse...

Ocasionalmente passo aqui pra ler-te Dauri, mas hoje faço questão de registrar. Belíssimas considerações a respeito de tua mãe - arcano do céu desvendado em amor cotidiano - bonito, muito bonito!
Deixo-te minha solidariedade em relação ao momento tão difícil, tudo tão sensível e delicado por aqui quanto o respeito a esse momento.

Cosmunicando disse...

Dauri, meus sentimentos e que ela descanse na paz que transmite este teu poema.
Lindo como um afago materno.
beijos

Jacinta Dantas disse...

Querido Dauri,

Dizer Adeus, dizendo
A-DEUS
É, para mim, um jeito Divinamente Humano de entregar-se em despedidas
Na entrega que se faz do Ser querido que, na terra, pode se traduzir em Face materna de Deus.

Deixo-te meu abraço e meu carinho.

E o poema?!
Ah!
o poema é todo carinho de filho

Pois. disse...

Muitas emoções contidas em palavras simples. Não sei como é dizer um adeus destes (e, claramente, também não sei o que dizer perante tais situações, que lamento sempre), mas espero que você consiga lidar com ele da melhor forma. Foi um belo gesto devolver a sua mãe às suas raízes.

Eurico disse...

Um abraço carinhoso e solidário, Poeta.
Estamos aqui, juntos.

Força!

Ilaine disse...

Dauri, amigo!

Somente agora leio os seus versos aqui... e sinto sua dor.

Penso em você!
Estou com você!
Sinta meu abraço. Hoje, bem forte!

Wilian disse...

Belo poema de despedida, remetendo às belas lembranças de uma vida em uma cidade aconchegante, carinhosa, como o coração de uma mãe
Abraço Dauri

Anônimo disse...

Seu poema me transporta para a casa dos meus avós no interior.
Tem cheiro de família, cheiro de casa da gente...
Pena não termos respostas prontas para esta dor. Pena não podermos te poupar desta dor.
Receba meu abraço e meus sentimentos.
Paz e bem!
Charles