03 novembro 2009

vertere seria ludo IV

Mesmo o melhor olhar,
o de amor, sempre acontece,
emudece de ver, ainda que
no dia mais azul.

De que vale a limpidez do dia

quando o passo de ir e a
vontade de dizer te amo
assombra-se em reviravoltas
de incertezas da hora.

O fogo avança, e é,

e seja o que possa significar,
um tanto é pouco, tal
é a ânsia. O que por dentro anda,
anda mais do que se pode ver

do alto da montanha. Talvez

em círculos. Porque também
se perde o passo quando se ama
e se fica dando voltas
no próprio coração.

O bem-te-vi rascunho

traz no bico a flor dourada
de benzer a noite,
para se ter um sonho lindo, apesar.

6 comentários:

Dauri Batisti disse...

Vertere seria ludo, Horácio, Ars Poetica: misturar o sério ao divertimento

Branca disse...

...voltas e mais voltas no próprio coração...é verdade, às vezes o amor nos deixa atordoados, sem direção, mas, logo encontramos o rumo novamente, qdo percebemos que no amor, precisamos caminhar lado a lado...sempre!


Boa semana pra vc...bjo!

paula barros disse...

Dauri, hoje acordei a pensar justamente nisso, do amor calar quando deveria falar, do quanto complicamos mais quando amamos do que descomplicamos, do falar, do olhar, do dizer, do apreciar, admirar....mas por algum motivo (incertezas, inseguranças, receios de se dá mais do que se recebe...)...calamos, nos afastamos.

Me tocou profundamente.

beijo

Mai disse...

Simples dizer do amor que se ama.
Sem rodeios, né?
Mas é tão difícil isto, Dauri. Por vezes penso que as pessoas se desacostumaram do que é necessário, sabe?
Benza Deus!
Como essas palavras são plenas e prenhas de poesia. E você me faz sorrir e emociona.
Um beijo.

Juliano disse...

Lindos sonhos, são sempre bem vindos.!

Abraços Dauri

Oliver Pickwick disse...

III e IV

Essa é uma das melhores séries que postou aqui. As suas metáforas poéticas estão mais calibradas do que nunca.
Um abraço!