01 novembro 2009

vertere seria ludo II

As outras cores do sol se vão,
escondidas, para debaixo
das asas da coruja.
Enquanto ela voa e, se

no chafariz correr água

bem limpa, as cores
aparecerão no rosto
das crianças que ali brincam
explodindo água em versos.

Dir-se-á que é noite
abrindo-se em belo dia.

4 comentários:

Dauri Batisti disse...

Vertere seria ludo, Horácio, Ars Poetica: misturar o sério ao divertimento

Opuntia disse...

"explodindo água em verso". Com tanta chuva caindo sobre o ES, isso é bem oportuno. rsrsrs

É isso mesmo, poeta, mosturas o sério ao divertimento.


Bjos

paula barros disse...

Apreciando a sua criatividade, infinda, que inunda os meus sentidos.

beijo

Oliver Pickwick disse...

Um chafariz mágico que além de divertir, produz alegorias poéticas.
Um abraço!