22 junho 2009

(lendo um romance japonês)

O que se escreve fica no lugar de...
uma pedra no lugar do sangue,
viagem no lugar do amor,

templo no lugar do êxtase.
Um lugar no lugar do outro.
Um aceno no lugar do abraço,

deserto no lugar do vale,
carcaça de camelo no lugar do oasis.
Um sino no lugar do beijo,

quadro no lugar do sol,
retrato no lugar do sorriso.
O que se escreve mancha

outro mundo nas cavas,
nos vagos recintos, onde
o que já é pouco se vai, e se esvai.

9 comentários:

Mai disse...

É vida e morte. Fica fincado ou circula em círculos. Escreve e segue e deixa porque depois de escrita, a palavra não mais nos pertence e ganha o mundo e é exercício de morrer...

Este eu senti.
Essa palavra me pegou na letra.

Beijo

Mai disse...

Essa palavra também sibila, e éleve e se esvai e vai indo mas não pesa nos sons...Sibila e some...

Avassaladora disse...

Dauri, vc s vezes, arruma uma louca dança com as palavras, e no final o resultado é surprndente!
Dificil entender... É preciso e incorporar o poema... Só assim vem a essencia o que escreves

Linda semana pra vc!

Beijos!

mundo azul disse...

__________________________________


...triste é o seu poema, meu amigo!

Nem tudo é assim...Mas, creio eu, seja apenas uma linda criação poética, daquele que não é poeta...


Beijos de luz e o meu carinho!

_________________________________

paula barros disse...

O que se escreve
Vai no lugar de quem não pode ir
Abraça quem não pode abraçar
Beija quem não pode beijar

O que se escreve
Vem, e mexe, e remexe
O adormecido ser

O que se escreve
Cria asas, voa
Cria pernas, corre
Toma forma, e forma, e deforma, e reforma

O que se escreve
Tem gosto, tem cheiro, tem magia
Tem a rima na rima da emoção
Da até arritmia no coração

O que se escreve
Tem gotas de orvalho no olhar
Tem pontas de sol na alma
Tem arco-íris na íris
E faz a menina dos olhos dançar

O que se escreve
Não tem mais dono
É dono de quem ler
E se extasia
E se questiona
E se emociona
E escreve.....

portanto, um beijo para quem escreve.

Dauri Batisti disse...

De fato Zélia é uma criação, e se baseia - em parte - no personagem do romance japonês que estou lendo. Beleza e tristeza.

paula barros disse...

Beleza, tristeza e alegria
Todos temos um pouquinho
Um montão
Hora pesa a balança da alegria
Hora o peso da tristeza nos leva até o chão
E com a tristeza e com a alegria nos levantamos
Lá em Kyoto, Espírito Santo, Pernambuco,ali, acolá, mais adiante
Uma pitada de tristeza, um pouquinho de alegria
Vai temperando a vida...o dia a dia....os momentos....
Os sorrisos, os choros, os suspiros
A dor e o prazer
O amor, o desamor
No escrever o exorcizar, a catarse
Transformando sentimentos, emoções
A palavras no lugar de.....do dito, do não dito
E a beleza?
Nos versos, no reverso
A metáfora para brincar de esconder
Vai brincando com a palavra
Feito criança brincando com o quebra-cabeça
Quem ler que quebre a cabeça
Para entender,ou não entender
Sentir é a melhor viagem para quem ler.



Adoro ler você. E ficar divagando.

Tiago Soarez disse...

Caro,

Sempre tão bem inspirado!

Queria poder ser mais presente por aqui. É muito bom saber que sempre posso contar com você lá no meu Café! É ótimo ler seus comentários e sempre que posso tenho prazer em retribuir.

Embora me pareça triste e tenha me deixado um pouco confuso o "jogo" de palavras, adorei o seu poema.

E é isso que a escrita proporciona: a brincadeira, o jogo, o poder, a sensação do outro...

É um quebra-cabeça que me estimula a ler sempre o que você escreve...

Espero poder voltar amanhã!

lyani disse...

Eu fico realmente impressionada com o seu talento. Sentia falta de ler-te! :)
Bjos e obrigada pela força!
Ly