16 julho 2008

Enternecer


Guardei palavras,
literatura e afins,
em caixas quadradas
e carreguei comigo.
Enrijeci.
Andando carente,
tropecei numa flor (?)
me esparramei na calçada,
as caixas se abriram
e vi que o que eu tinha guardado
eram pesos, não palavras,
como se fossem coisas.
Me confundi.
Não, nem eram coisas,
era o que sobrou
do que virou sangue.
Como foi mesmo o tropeço?
Só sei de esferas que estouraram
e me fizeram tropeçar na flor
ou no capim (???), não sei,
e cair (ainda bem)
e me enternecer.
Esquece!
O que importa é que enternecer
é um verbo pouco usado.
Se eu fosse você tropeçava também
(numa besteira qualquer)
só para se enternecer.

6 comentários:

Leandro Jardim disse...

gosto desse teu estilo, sabia!

grande abraço!

Dora disse...

É mesmo, Dauri. A gente acumula e carrega a bagagem da literatura, que fica "cristalizada" e pesada, e, no final das contas, não significa a "realidade" vivida...
Enternecer-se...desligar-se da palavra, e "tropeçar" até mesmo num inseto que rasteja, talvez seja o melhor espanto para se conscientizar da Vida.
Parece-me que Clarice Lispector sugere isso. Cair na vida e fazer "empatia" com as coisas.(Mas, ela, Clarice, escreve, assim mesmo. Como você também escreve...E eu escrevo...)
Beijos.
Ando confusa, ultimamente. Há de me perdoar.
Dora

Jorge Elias disse...

E dizer que um tropeço não pode trazer nada de bom!...
Eternecer sempre meu amigo.

Abraços,

Jorge ELias

KÁTIA CORRÊA DE CARLI disse...

Dias desses levei um tropeção daqueles... aproveitei e não retornei para minhas caixas um monte de coisas e pessoas...
Mas meu querido amigo
Não me xingue... mas no Múltiplas tem uma tarefa para você rs
Continuamos amigos?
beijos

Rico B. disse...

O que há de espaço entre o pulso e os dedos é um punhado de carne e osso que apalpam o desconhecido. Daí a gente treina o desapego. Daí a gente enternece. Tô linkando vc. De hooooooooje que era para fazer isso! *rs

F. S. Júnior disse...

Dauri,

ficou lindo... um dos meus favoritos... singelo... pensei muito nas pilhas de caixa q carrego... preciso tropeça numa flor, capim ou dobra mal-ajeitada de calçada... sempre faz bem...

abraços