20 novembro 2007

Dizer a luz

Isso de fazer poesia tem a ver
com o caminho que faz a voz.
Esta, que não é a minha,
nem a de ninguém.

Ela passa pelas minhas cordas,
me amarra com a minha letra,
se arranja bem com os meus termos,
usa meu tom, meu timbre, meu ritmo,
me subtrai as palavras mais caras,
e me cala.

Mudo, mudo de dimensão.
Ao invés de fazer poesias
acabo por encontrá-las vazias
de toda e qualquer palavra
no silêncio do que não se escreve.
Mas a mudez não dura muito.

Isso de fazer poesia tem a ver
com o caminho que faz a teimosia,
a angústia, a ternura, a esperança de recompor a vida
e dizer a luz que aparece antes do nascer do sol
e o escuro que também se mostra ao meio dia.

2 comentários:

Jacinta disse...

Hum!!!
Essa é prá guardar no coração.
"Isso de fazer poesia tem a ver com o caminho que faz a teimosia". Teimosa, sei que sou. A poesia? Ah! adoro ler as que você escreve.

Jacinta Dantas

Wellington Felix disse...

Rapazzz!, que lindo poema, que a sensibilidade e essa capacidade de amar, transborde sempre em poemas assim comoventes e fortes, e que esse transbordar se torne tambem alimento e agua fresca,pra essa alma canibal. Parabens poeta


ps. tem coisas novas no meu blog, pessoas postando vai me visitar.